receba nossa newsletter!
 
 
notícias
 

Greenpeace quer desmatamento zero. Assine a petição

produção
GREENPEACE/DANIEL BELTRÁ

O Greenpeace está promovendo uma campanha a favor do desmatamento zero. A ideia é juntar no mínimo 1,4 milhão de assinaturas – que podem ser colhidas via internet – para ingressar no Congresso Nacional com uma proposta de lei popular e forçar os parlamentares a aprovar a nova lei. Para ter ideia da força de uma proposta de lei popular, basta lembrar que a Lei da Ficha Limpa – que impede políticos fichas-sujas de se candidatarem ou ocuparem cargos eletivos – surgiu da iniciativa popular. Assim, o Greenpeace pergunta: você é a favor do desmatamento da Amazônia e das outras florestas brasileiras? E lembra que o País já tem área desmatada suficiente para dobrar sua produção de alimentos; basta que o campo receba investimentos em eficiência na produção e recuperação de áreas desmatadas. Para participar, basta acessar o link, preencher os seus dados e enviar. E também compartilhar com seus amigos nas redes sociais. Não leva nem um minuto. Abaixo, a proposta de lei popular que o Greenpeace está pedindo para você assinar:

Projeto de lei de iniciativa popular

Institui o DESMATAMENTO ZERO no País e dispõe sobre a proteção das florestas nativas

Artigo 1º: Fica instituído o desmatamento zero no Brasil, com a proibição da supressão de florestas nativas em todo o território nacional. A União, os Estados, Municípios e o Distrito Federal não mais concederão autorizações de desmatamento das florestas nativas brasileiras.

Artigo 2º: A proibição de que trata esta lei não se aplica em questões consideradas de segurança nacional, defesa civil, pesquisa, planos de manejo florestal, atividades de interesse social e utilidade pública especificadas em resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e atividades de baixo impacto a serem regulamentadas por ato do poder executivo.

Artigo 3º: As proibições de desmatamento de que trata esta lei terão exceção para os imóveis rurais da agricultura familiar (Lei 11.326/2006) por um período de cinco anos, contados a partir de sua aprovação, condicionadas à implementação, por parte do poder público, nestes imóveis,  de programas de assistência técnica, extensão rural, fomento à recuperação de florestas nativas, transferência de tecnologia e de geração de renda compatíveis com o uso sustentável da floresta.

Artigo 4º: Para efeitos desta lei, os desmatamentos em terras indígenas e populações tradicionais continuarão sendo regidos por legislação específica.

Artigo 5º.: Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Siga o PORTAL ORGÂNICO no Twitter

Setembro
dom
seg
ter
qua
qui
sex
sab
31
01
02
03
04
05
06
08
09
12
13
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
01
02
03
04
  • / Livros
    Regras da comida - Um manual da sabedoria alimentar
  • / Livros
    Em defesa da comida - Um manifesto
  • / Livros
    Escolhas e Impactos - Gastronomia funcional
  • / Livros
    Slow Food - Principios da nova gastronomia
  • / Produção
    Projeto Água Doce - Associação de Agricultura Orgânica de São Paulo
  • / Produção
    Projeto Água Doce - Agricultura sustentável em área de mananciais
  • / Produção
    Ela é quem manda na horta da Fazenda da Toca
  • / Produção
    Leoncio Soares de Oliveira, agricultor orgânico
  • / Produção
    Projeto Água Doce - Associação de Agricultura Orgânica de São Paulo
GALERIA DE CONTEÚDO
FILTROS
ARTIGOS
Ordenar Por:

Áreas
Produção
Nutrição
Gastronomia
Bem Estar


A-Z
Data
Colaborador(a)
NOTÍCIAS
Ordenar Por:

Áreas
Produção
Nutrição
Gastronomia
Bem Estar


A-Z
Data
Fonte
PUBLICAÇÕES
Ordenar Por:

Áreas
Produção
Nutrição
Gastronomia
Bem Estar


A-Z
Data
Autor(a)
ENTREVISTAS
Ordenar Por:

Áreas
Produção
Nutrição
Gastronomia
Bem Estar


A-Z
Data
Entrevistado(a)